Dolores Fender

Novos caminhos

Textos


Folhas Secas
 

 
Folhas secas caídas no chão
Frio do outono no meu coração
Borboleta voando sem flor pra pousar
De asas abertas flutua no ar.
 
Daqui debaixo olho pro céu
A borboleta me olha com olhos de mel
Entristeço por não ser uma flor
Ela não se importa e se vai sem pudor.
 
Triste e sozinha perdida de mim
Procuro aconchego no universo sem fim
De braços abertos pronta para abraçar
Fecho os olhos e me ponho a sonhar.
 
A brisa que sopra de leve aos meus ouvidos
Traz uma música que aguça os meus sentidos
Agito meus braços num ritmo lento
Tal qual a borboleta o vôo eu tento.
 
Não saio do chão meus pés são pesados
Meus sonhos são leves coloridos alados
Volto pra casa e me deito no chão
Tal qual folha seca no fim da estação.
 
Dolores Fender
14/04/2017
 
Dolores Fender
Enviado por Dolores Fender em 14/04/2017


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras